quinta-feira, julho 07, 2005

Baiano na área - se derrubar é pênalti!

"Desculpa aê, papá... desculpa aê, papá
A minha mãe me ensinou
Que a pessoa tem que ser modesta
Desculpa aê, papá... desculpa aê, papá
Desculpa aê
Mas quando eu chego é que rola a festa"

(Brincadeira. Com o tempo, se houver, vão confirmar que isso não é sério.)


Estou me sentindo como um zagueiro no ataque. A bola está vindo redondinha e eu, livre e de cara com o gol, vou fazer alguma braga. Não se enganem – sei do que estou falando – sou zagueiro. (e faço as bragas)
Mas já que a bola veio...

Apesar de conhecer a pessoa em questão muito bem, já que sou eu, traduzir em palavras me parece impossível. Sempre que tenho um campo tipo "escreva sobre você", orkut, gazzag, blog, mando um "pois é".
Pois é. Aqui vou tentar. Seria chato da minha parte não fazê-lo, como já está sendo chata toda essa enrolação aqui.

Brasileiro, baiano, soteropolitano, nascido no Espanhol, bem a tempo para o almoço do dia vinte e cinco de outubro de 1980. E nesses anos tive o prazer de morar em Salvador, Itaíba, Brasília, Vitória da Conquista, Lauro de Freitas e Salvador, de novo. Sinto que meu lugar é aqui. Minha personalidade é em grande parte moldada nas fôrmas da cidade.
Meu dominó começa com bucha de ás.
Meu acarajé tem que ter gosto de acarajé.
O calor que eu quero vem acompanhado de vento, e não abafa.
É o melhor clima para tomar minha cervejinha.
E o gosto manjado do pôr-do-sol no porto da barra nunca me parece por completo conhecido.
Outras paisagens são sempre grandes experiências, mas quando penso nelas não sinto o conforto daqui. Ou como diz um grande baiano, "O melhor é o mar do mundo / De um certo ponto de vista / De onde só se avista o mar / E a ilha de Itaparica"
Eu sou um menino crescido. Me divirto com coisas simples. Cerveja prestes a congelar, em quantidades estúpidas. De preferência, a boa. Carlton vermelho, o segundo se acende no primeiro, acompanhando a cerveja. Qualquer hora. Praia ensolarada, galera animada, dominó, futebol, Fórmula 1. Sorrisos sinceros, papo tranqüilo. Meu maior vício é mulher. Meu ponto fraco... (...)
Mas eu também sou um homem (não sem fazer uma certa força). Os percalços no caminho já me ensinaram alguma coisa, e tenho estabelecidos os termos de como me defender nesse mundo brabo.
Por outras e essas, tenho meu trabalho estável, e não largo minha faculdade, mas também não levo pra frente... E me preocupo com isso.
Não sei mais muito o que dizer. Teria inúmeros detalhes representativos, mas que deixariam tudo muito vago. Desde o jeito de chamar meu irmão de moleque, meu humor inconveniente, até minha música, dança, sexo, drogas e obsessões.
Acredito que esse conceito de ser, na forma que é focado, envolve muitos fatores transitórios, e não necessariamente reflete fundamentos imutáveis da personalidade em questão.
Não que eu não ache que existem bases sólidas no âmago dos valores, conceitos e comportamentos de cada um. Acho. Mas paradigmas são quebrados a cada dia, com a dificuldade que lhes é proporcional.
Daí que vai focado desse mesmo jeito, mas não admito como algo necessariamente correto, muito menos permanente. Não penso duas vezes antes de contradizer ou subverter, embora acredite que não vá acontecer muito.
E concluindo...
Onde é que eu fui amarrar meu jegue?
Se tem alguém lendo que me conheça há tempo, e tenha lido os textos de até então, deve estar dando risada.
Todo mundo aqui tem blogues de poesia, lê muito, entende as referências de Saint Exupéry a Kant. Eu já me lembro de, no meu blogue, ter citado o tio Ben, de Peter Parker, e escrito piadas de macaco.
Adaptando uma comparação adequada que já ouvi por aí: um fermentado (barato) e sete destilados.
Ah, Marina... só matando. :)
(Vamos que vamos! Prazer!)

[]´s

14 comentários:

André disse...

Hahahaha... Muito bom cara... E quanto ao final... A poesia é arte... Mas quem disse que coisas simples e sem nexo também não são!? Até mesmo uma piada sobre macaco!

Múcio Góes disse...

"Fermentado ou destilado", sendo gelado... Pow, muito bom! O problema é que cada dia fica melhor, e pior, pra quem estar por vir, e outras terças, quintas virão, vou amolando minha faca, cada quarta um desafio, salutar, claro! Como diz uma de minhas sobrinhas: "topado nivel 10!!!" []'s

Roberta disse...

Adorei essa sua biografia-enrolada-pra-cacete. Que figura! beijocas

Ercília disse...

Estou me deliciando...Pois é, cara, eu uso isso o tempo inteiro. Viciou. Pois é, pra falar a verdade então, acho que são dois fermentados porque eu não entendo todas essas referências aí que você citou. Até conheço um pouco de Saint Exupéry mas esse outro aí...Agora, Peter Parker e família são tudo gente fina. O meu blog anda às moscas e deve ter mais poesias alheias que minhas porque dá preguiça de digitar (perdi a minha cópia digital e ainda prefiro papel e caneta). Fora que está a maior bagunça. Pois é, me assumo uma fermentada também mas não barata, pra não perder o charme! Confira no sábado.

Vinicius disse...

Ei cara

eu nasci em 25 de outubro de 1979.

Gostei do texto. Você se parece comigo, especialmente nos vicios...

Anônimo disse...

Ainda bem que assumiu que és o fermentado entre os destilados, mas lembre-se que há aqueles que não abre mão. Eu sou um deles. Bom texto, boa piada.

Classificação: 3 Estrelas

Renata disse...

Prazer, Renata. ;)

Mary disse...

Ei! Me mate não, pô! Tem tanta coisa melhor p/ fazer... ;)
Eu vou me unir a vc, e seremos dois fermentados baratos...
Mas, pensando bem, vc não tem nada de fermentado... Vc só fala fala fala... só charme...
Vcs são fodas! E eu tô lascada!
E já falei um monte de palavrão... rsrs... É o sono!
Massa seu texto! ;) Beijão!

PatitaM disse...

É um delicioso prazer ler seus textos, ler você, menino baiano!
Leitura gostosa e divertida...hummm...comecei meu dia aqui no trabalho acessando esse nosso blog... boas energias colhidas por mim...

Ah! Acarajé tem que ter gosto de acarajé e o nascer e adormecer do sol nessa nossa cidade são sempre maravilhosos...visto da Barra ou da Ribeira...

Beijo Grande!

Ercília disse...

Pois é, Patrícia. O Sol é sempre o Sol, o astro-rei. Nascendo ou dormindo, é sempre um espetáculo imperdível. Na minha terra tenho visões fantásticas, basta abrir minha janela ou correr pro quintal. Mas tem duas coisas que eu sinto falta na tua terra,o pôr do sol do Humaitá e o de Itapuã...

Ercília disse...

Baiano, pensei que eu fosse a última pessoa do planeta que ainda curte F-1. Amo. Sou alucinada. Não marco nada pro dia que tem corrida, só se for mais tarde. Fiquei p da vida quando interromperam a de Indianápolis pra passarem o jogo da seleção (e olha que eu tb amo futebol). Apesar de aquela corrida...

Ni disse...

EU dei foi muita risada com esse tua descrição...Um menino crescido, isso sim vc é...

Adriano disse...

Esse é meu amigo... Uma figuraça! Mandou uma senhora biografia.
Como sempre, um texto de leitura agradável.
Abração, meu velho!

Leila disse...

Esqueceu de dizer que é MUITO LINDO!!!
Te amo muito!!