domingo, agosto 21, 2005

O Taxista

Ele, motorista de táxi na praça de Porto Alegre há quase 40 anos. Sujeito de muito respeito e conhecido por todos em seu ponto. Homem casado, dizem que jamais pensara em trair sua esposa. Uma mulher feia que doía. Tinha a cara da fome e o corpo da sede. A mulher era tão feia que, depois que a idade chegou, o médico a proibiu de se olhar no espelho logo pela manhã, pois tinha pressão alta e não poderia sofrer grandes sustos. Tão feia que Diabo já tinha combinado com Deus que não queria aquela mulher no inferno nem fudendo.

Mas ele, homem honrado e gaúcho bravo não se permitia qualquer luxúria. Viveu ano após ano com aquela fôrma de fazer monstro. Coisas da vida.

Ela, ninguém sabe a profissão. Também não interessa muito. O fato é que ela é uma morena que pára o trânsito. Pernas torneadas, cintura fina, lindos glúteos e seios tão fartos que matariam a fome de um bezerro. Tão linda e gostosa que não foi feita por Deus, porque sua beleza é pecado e Deus não peca. A morena era tão boa que foi feita pelo Diabo, só para se vingar de Deus. Ela era tão gostosa que o Conselho de Ginecologistas do Rio Grande do Sul solicitou ao juiz da cidade que emitisse uma liminar proibindo que ela se consultasse com ginecologistas homens, para evitar constrangimentos na categoria.

- Pois não dona. Qual o destino (minha cama, minha cama, minha cama!)?
- Leve-me para a cidade baixa, bairro do Bonfim.

A morena senta-se com seu projeto de demônio (digo, filho) no banco detrás do carro. Com aquela mini-saia seria quase impossível o taxista prestar qualquer atenção no trânsito. Seus olhos só miravam aquele par de coxas deliciosas. Mas o maldito menino atrapalhava a visão do paraíso. O menino pulava, gritava e cantava músicas de Eliana Dedinhos sem parar. Qualquer uma ficaria louco!

- Você não quer sentar no banco da frente com o tio?
- Oba! Mamãe, eu posso sentar no banco da frente?
- Pode, mas não mexe em nada guri!
- Ta bom mamãe.
- Seu filho?
- Pois é. Um menino de ouro!
- NÃO MEXE NO SOM guri lindo. Aliás, pode mexer que o tio não liga.
- Tio, o que esse botão faz?
- Esse não PODE... podia apertar esse porque esse chama o bicho papão!
- Bah tio, eu não acredito mais em bicho papão...
- ...
- A senhora mora no bonfim?
- Moro sim senhor. Mudei para lá depois que me separei. E o senhor, é casado?
- Não, sou divorciado. Sabe como é, né? Depois de anos com a mesma mulher a relação desgastou e só sobrou amizade. Resolvi conhecer novas mulheres, ter novas experiências. Viver minha vida! (eu quero você, eu quero você).
- Que bom! Eu estou solteira também. Nesses dias, onde ninguém é de ninguém, está difícil arrumar um bom partido, um homem sério.
- Bah, isso é uma grande verdade. Não fazem mais homens como eu hoje em dia. Essa meninada de hoje só pensa em sexo, nada de compromisso.
- Mamãe, o que é sexo?
- Nada guri, cala a boca e fica quieto senão volta para o banco detrás.
- ...
- Mas e o senhor, tão charmoso, vivendo sozinho?

Pronto, agora ele tem certeza que a mulher está ganha. Basta arrumar uma forma de se livrar do capetinha e pronto! A gostosa seria dele.

- “Posso abrir a porta do carro e empurrá-lo”, pensa. Mas provavelmente a mãe não daria o pastel de cabelo para ele. E ele vai durante toda a viagem flertando com a morena gostosa, olhando suas coxas e tentando permanecer no trânsito. Dizem até que, depois de alguns anos, seu “amigo” deu sinal de vida.

Em sua mente suja, aquela mulher estaria na cama com ele em alguns minutos. E ela cruzava as pernas, fazia caras e bocas. Provocava abertamente aquele homem, que sentia que seu zíper poderia estourar a qualquer momento.

- “Bah, que mulher gostosa. É hoje que eu vou fazer uma festa regada à carne mijada tchê”
- Por favor, o senhor vira a direita.
- Sim senhora. Sua casa?
- Não, estou deixando meu filho na casa do pai dele.
- “Bah, me livrei do guri. Agora é só abraçar a xavasca e ir pra galera”.
- Pronto, o senhor pode parar aqui que eu vou descer.
- A senhora vai continuar a viagem? Se quiser posso esperar e não cobro mais por isso!

Nesse momento o homem já nem disfarça seu interesse naqueles seios lindos. A única coisa que pensa é ter aquela égua cavalgando nele, enquanto ele sente todo o fogo da juventude que sua mulher apagara desde a juventude, aceso novamente.

- Não senhor, preciso conversar com meu ex-marido. Problemas de pensão, o senhor deve saber como é!
- Bah, eu sei sim...
- Bom, obrigado pela corrida e pela gentileza.
- Não por isso senhor. Deixarei meu telefone com a senhora. Se precisar de um táxi basta me ligar (se quiser foder gostoso também pode me ligar).
- Claro que ligo senhor. Vamos Dagoberto, você vai ficar com seu pai. Agora dê tchau pro vovozinho e vamos embora.
- Mamãe, mas ele não é meu vovô. Meu vovô tem cabelo!
- Vamos moleque, larga de ser chato.

Diz a lenda que o taxista chegou em casa, deu uma com sua mulher como não fazia desde sempre e depois nunca mais foi visto rodando na praça de Porto Alegre.

Coisas da vida!

P.S.: Já vou logo pedindo desculpas pelo atraso e pela baixa qualidade do texto. Esse foi escrito agora pela manhã, durante o vôo para Porto Alegre.

5 comentários:

Baiano disse...

Matou o velho... :)

[]´s

PatitaM disse...

Vini,

Confesse, tinha uma gostosa ao seu lado!

Huuummmm...Machismos revelados... Exageradamente talvez, mas nada que venha a ser desculpado...gosto da falta de pudor nas palavras, pois assim elas tomam as verdadeiras formas do que pensamos em alguns momentos.

Agora vamos respeitar...tem uns trechos que peloamordedeus!

"Viveu ano após ano com aquela fôrma de fazer monstro"

"Ela era tão gostosa que o Conselho de Ginecologistas do Rio Grande do Sul solicitou ao juiz da cidade que emitisse uma liminar proibindo que ela se consultasse com ginecologistas homens, para evitar constrangimentos na categoria."

"seios tão fartos que matariam a fome de um bezerro"

"pastel de cabelo"

O que é isso?! Nunca mais olharei para um pastel tão ingenuamente!!!!

Mas gostei do texto, mesmo porque ela não deu pra ele! E a velha (monstra) teve seu momento de glória! Bem feito, descarado! O taxista, claro!!!!:P

Beijo grande!

Múcio Góes disse...

Cara, chorei de rir! Sempre choro qd é bom. Pastel de cabelo foi Phodda! Rsrsrs

Acho que Patati acertou, tinha uma gostosa, ah tinha!

Vlw, Vini, alegria em letras nessa segunda morgada e sem propósitos.

[]´s

Leonardo Caldas disse...

daí me diz... não sei se na verdade me prendo à imagem de um DeNiro envelhecido e caquético, ou dos seios fartos matando a fome dum bezerro!
eita! acho que - machismos à parte - fico com a imagem do par de seios! :)

Vinicius disse...

gente,

eu estava sentado com duas senhoras bem idosas. Para falar a verdade, não olho muito para os passageiros em vôos, pois não gosto de aviões, apesar de viver dentro deles...

Abraços!