quinta-feira, setembro 29, 2005

A pedrada de todos nós.

Anda circulando pela internet o texto "O mensalão de todos nós", atribuído a um renomado psicólogo e professor de não sei onde. Chegaram para mim já três ou quatro mensagens eletrônicas com ele, e comentando coisas como "Triste, mas pura verdade.", "Nossa hipocrisia" ou sem comentar nada.
Colo aqui. Quem já leu, pule. Quem não leu, se quiser...

"O ''MENSALÃO'' DE TODOS NÓS

Pedro Paulo Rodrigues Cardoso de Melo

Numa tarde de sexta-feira, recebi um telefonema de um amigo me convidando para ir a um churrasco na sua casa. Acontece que na naquela noite eu tinha que dar aula na faculdade. O problema é que eu queria ir ao churrasco e, como solucionar o problema de uma forma que eu ganhasse nas duas frentes era o que eu tinha que fazer. Mas, como?
Bem, eu agi como, geralmente, todos nós agimos: fiz de conta que estava cumprindo com a minha obrigação quando, na verdade, fui de encontro à satisfação do meu prazer. O churrasco iria começar às oito horas da noite e a aula às sete e meia. Ora, fui para a faculdade, registrei a aula, fiz a chamada e inventei uma aula de leitura na biblioteca abandonando a turma. Depois, fui à outra turma (a que iria assistir aula depois do intervalo) e fiz a mesma coisa. Depois disso, saí para o churrasco querendo acreditar que havia cumprido religiosamente com o meu dever de professor.
No churrasco, fiquei numa mesa com o dono da casa, que é médico, o amigo que estava sendo homenageado, que é policial, um amigo do homenageado que é advogado e político e a sua esposa que é universitária e estuda no período da noite. Entre muita cerveja e pouca carne o assunto era um só: a roubalheira dos nossos políticos e a passividade da sociedade (todos nós) mediante a podridão do episódio do mensalão. Todos nós estávamos revoltados e propondo soluções para o melhor funcionamento da máquina pública e para o resgate da ética entre a classe política.
Num dado momento, o telefone do dono da casa tocou e ele se afastou um pouco para atender. Cerca de um minuto depois ele retornou à mesa e, com raiva, falou que "não dava para trabalhar com certas pessoas". O telefonema que ele havia recebido era do hospital. Naquela noite ele estava de plantão, mas ele já havia passado no trabalho. Chegou cedo no hospital, visitou alguns pacientes e leu "por cima", os prontuários dos outros. Depois de uma hora foi para casa e deixou a seguinte recomendação: "só me liguem em caso de extrema emergência ou se aparecer pacientes particulares". Sendo assim, era um absurdo a enfermeira lhe telefonar só porque chegara um senhor de sessenta e quatro anos de idade com suspeita de infarto. Ele "receitou" alguns medicamentos pelo telefone e disse que a enfermeira podia retornar a ligação (se ela tivesse coragem para isso), caso acontecesse alguma coisa.
Na tentativa de aliviar o clima, perguntei ao amigo que estava recebendo a homenagem se ele já havia feito a sua mudança. Ele respondeu que sim e, satisfeitíssimo, contou que a mesma não tinha lhe custado nada. Segundo ele, o dono de uma transportadora lhe havia retribuído "um favor", já que ele, meses antes, tinha "resolvido" uns probleminhas de multas nos seus carros que poderiam lhe custar a habilitação e, até mesmo, a sua empresa!
De repente, a esposa do político liga para uma colega que estava assistindo aula para saber se tinha dado certo "aquele plano". Ou seja, o plano da colega responder a chamada por ela enquanto ela estava no churrasco, pois ela já estava "pendurada nas faltas" na disciplina em questão e não poderia, "por nada", ser reprovada. E, toda feliz, sorriu com a assertiva da colega. O plano havia dado certo.Em um outro momento, o anfitrião pergunta ao político como iria ficar o caso de uma determinada pessoa. E ele respondeu que tudo estava indo bem. O único problema era que na secretaria almejada já havia alguém concursado ocupando cargo que tal pessoa pleiteava, mas que ele não se preocupasse, pois estavam estudando uma medida legal (?) para transferir o "dito cujo" de função ou de setor para a vaga "do fulano" ser ocupada por ele. "Ele é um que não pode ficar de fora, pois foi comprometido com a gente até o fim", finalizou.
Em meio a tudo isso, não deixávamos de falar das CPI’s, da corrupção dos políticos e da cumplicidade da sociedade que, apática, não movia uma palha para mudar nada.
Chegando em casa fui pensar naquela noite e em tudo o que havia presenciado. De repente, me dei conta que o escritor baiano João Ubaldo Ribeiro está certo quando diz que "nós vivemos num ambiente de lassitude moral que se estende a todas as camadas da sociedade e que esse negócio de dizer que as elites são corruptas mas que o povo é honesto é conversa fiada. Nós somos um povo de comportamento desonesto de maneira geral, ou pelo menos um comportamento pouco recomendável".
O melhor era que eu não precisava pesquisar em nenhuma fonte bibliográfica para concordar com o escritor. A sua afirmação estava magistralmente retratada no meu comportamento e no comportamento dos meus amigos naquela noite e naquele churrasco que eu havia freqüentado.
Para começar, eu roubei o povo ao fazer de conta que estava dando aula quando na verdade não estava. Da mesma forma, como professor, eu estou surrupiando (roubando) a sociedade quando adoto como metodologia de ensino os tão conhecidos seminários apenas para não dar aulas com a mentira disfarçada de desculpa bem intencionada de que os alunos precisam treinar a arte de expressar bem as suas idéias. Isso pelo fato dessa afirmação não ser verdade, mas parte de uma verdade maior.
É lógico que os alunos precisam treinar a arte de bem expressar as suas idéias, mas depois de serem ensinados e conduzidos pelo professor que, por sinal, é pago para fazer isso. A verdade inteira é que, quase sempre por motivos pessoais, o professor acaba transformando o que seria uma, de várias técnicas de ensino, em sua prática regular de ensino e o resultado é uma enorme massa de estudantes "transfigurados", da noite para o dia, em professores dos professores que deviam ensinar, mas não ensinam.
E o que dizer do anfitrião da festa? Do médico que estava "tirando plantão" e que, portanto, estava ganhando o seu salário e reclamou por ser incomodado, apenas porque um senhor de idade estava com suspeita de infarto? Somos tão imersos na nossa convicção de que somos bons, quando na verdade não somos, que o médico chegou a dizer que, se ao menos o ancião tivesse sido diagnosticado por um profissional, então ele se sentiria na obrigação de ir atendê-lo. Ele só esqueceu de um detalhe: se o plantonista do hospital que, por sinal era ele, estivesse cumprindo o seu plantão, o senhor de sessenta e quatro anos de idade, casado, pai de seis filhos, aposentado e que trabalhava desde os doze anos de idade e contribuía com a previdência há trinta, talvez tivesse sido atendido por um profissional e não tivesse sofrido um derrame cerebral.
É interessante vermos, também, o caso da universitária, a defensora dos valores morais. E, aqui eu pergunto: quais valores seriam esses? O valor que nós damos ao "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço?" O valor que depositamos nos nossos desejos pessoais e nas nossas vontades de uma maneira tão absoluta e absurda que, simplesmente, esquecemos que não vivemos sozinhos "nesse mundão de meu Deus?" O valor que damos ao famoso jeitinho brasileiro que, não custa lembrar, só virou instituição nacional porque nós lhe damos vida com as nossas atitudes?
Sim, porque se formos honestos e verdadeiros com nós mesmos, somos obrigados a admitir que, no geral, esses são os nossos valores porque é assim que nós somos e é assim que nós fazemos, com raríssimas exceções. Os valores que almejamos como ideais, infelizmente, só existem no mundo das nossas idéias e/ou como metas a serem atingidas pelos outros e não por nós.
No caso do policial, ele me mostrou uma coisa bastante óbvia: que é fácil fazer favores com o esforço que não é nosso para sermos merecedores de créditos que também não nos pertencem, para depois declararmos que o nosso país é o país da impunidade, pois os outros, e não nós, são larápios da coisa pública. Por isso que ele resolveu alguns problemas de um amigo onerando o erário, para ser recompensado depois. Ou seja, roubou o coletivo para ser beneficiado no particular.
A mesma coisa se aplica ao político que, lembrando mais uma vez, é também advogado, defensor da lei e da justiça. Pode? Vergonhosamente, pode sim. E, a prova de que isso é verdade está na própria justiça que fazemos. Uma justiça que liberta uma jovem que confessa o planejamento e o assassinato dos pais baseado em um argumento que ninguém sabe qual é e que, por mais legal que possa ser, é imoral e totalmente fora do bom senso; uma justiça que prende as pessoas que filmaram e denunciaram um esquema de corrupção nos correios enquanto deixa em liberdade o corrupto que foi filmado recebendo propina; uma justiça que manda para as cadeias apenas os pobres e os negros; uma justiça que sempre solta os ricos que são presos (quando são) e que é extremamente distante do povo que a mantém; uma justiça, enfim, injusta e, porque não dizer, muitas vezes criminosa.
Acredito que mais uma vez o Brasil passa por uma oportunidade de ouro para rever-se como país e sair crescido e melhorado de toda essa crise. O grande problema está nas pessoas. Em mim, em você, nos nossos familiares, colegas, amigos e inimigos, parentes e aderentes. Isso, porque, se quisermos realmente uma nação melhor temos que assumir que nós também somos recebedores do mensalão e que, portanto, cada um de nós também é merecedor de sentar nas cadeiras da CPI.
Recebemos o mensalão quando sonegamos imposto, quando matamos aula e inventamos uma justificativa para não levarmos falta, quando faltamos ao trabalho e fazemos de conta que não faltamos (como eu fiz) ganhando o que é indevido, quando copiamos ou compramos CD’s piratas, quando pagamos propinas ao guarda de trânsito para ele não nos aplicar uma multa que ele deveria aplicar, enfim, todos nós, cada um a seu modo e com o seu preço, também é culpado, pessoalmente, por tudo isso que está acontecendo no nosso país.
Finalizando, é bom não esquecermos que os nossos políticos não vieram de marte; não vieram de uma outra galáxia ou do céu, mas do nosso meio, um meio que é corrompido por nós, pois somos, também, corruptos e corruptores. É bom não esquecermos, de igual modo, que esse é o real motivo para a sociedade (nós) assistir apática a toda essa decadência, pois no fundo, não é apatia, mas cumplicidade. Nenhum de nós toma uma atitude de mudança porque acreditamos (ou temos a certeza) que se um dia estivermos no lugar dos políticos, faremos a mesma coisa que eles fazem, aumentando o nosso mensalão. Como disse Freud, "seríamos bem melhores se não quiséssemos ser tão bons", e ele estava certo. Bom seria se tivéssemos a honradez de olhar para essa verdade constantemente.

Sobre o autor:
Pedro Paulo Rodrigues Cardoso de MeloPsicólogo Clínico, Psicopedagogo e Professor Universitário de Psicologia e Sociologia."

Me passa pela cabeça que uma pequena porcentagem das pessoas tem senso crítico. Parece-me quel lêem qualquer besteira e pensam "Oh! É mesmo!" sem tentar analisar, ao menos, em relação à sua própria experiência de vida.
Esse camarada, se é que o texto é realmente de quem se atribui, joga no mesmo balaio todo o tipo de contravenção legal, independente do julgamento passar por valores, justiça, moral e lei.
Nem sempre o que é legal é moral ou justo. E vice-versa.
A Microsoft vende o Office por mais de R$ 1500,00. É a empresa mais "eficiente" do mundo. Trabalha sem nenhuma dívida de empréstimos - além do patrimônio líqüido, só o que consta no passivo do balanço da empresa é o que ainda não venceu.
Se a placa da moto cair e você nem perceber, pode ser multado em R$ 300,00 por infração grave.
Se você não vai para a aula, estuda e passa, a quem você está prejudicando?
Isso dá no mesmo de deixar alguém morrer porque não foi para o plantão? Que transferir alguém para Cabrobró das Farinhas para alocar seu correlato?
Isso dá no mesmo que aprovar legalmente um aumento de salário para si, sendo um deputado, custando ao estado entre salário, auxílios, verbas de gabinete e possibilidades de contratação mais de R$ 100.000,00 por mês? Isso é legal.
E estes aí são os que, ainda por cima, recebem mensalão.
Não me envergonho de dizer que cometo algumas infrações, ilegalidades. Não acho que seja vergonha. Aliás, santo ninguém é, mas há uma enorme distância entre as coisas.
Da mesma forma, não titubeio em dizer que já tive oportunidades, mantidas as proporções, de receber propinas. Nunca o fiz, nunca o farei. E acredito que muitos de nós, ouso dizer que a maioria, não o faria.
Os políticos são (foram) trabalhadores? Alguns. Grande parte é de empresários, filhos de políticos, fazendeiros, "Universais", gente oriunda de meios em que a "esperteza" costuma enriquecer.
E se a gente esmiuçar dessa massa qual é a sujeira, a maior parte vai estar aí.
Mensalão de todos nós é uma pinóia.
[]´s

2 comentários:

Vinicius disse...

Um dos maiores problemas, está como disse Freud, em nossa tentativa de sermos bons.

Ninguém quer passar por idiota, "otário", porque não se aproveitou de uma oportunidade. Como se isso fosse mais importante do que ter apenas o que lhe é de direito. Mas esse nosso comportamento é institucional. A cultura implantada pelas elites, para eles se aproveitarem, foi essa de que temos um "jeitinho" e que isso é bom. Isso pode parecer mais uma teoria conspiratória, mas eu acredito que nosso comportamento sempre é definido pelas elites que, para justificar seus meios, institucionalizam-nos, para que isso vire senso comun. E em nosso caso, virou.

Eu tento seguir da maneira mais íntegra e honesta. Prefiro passar por "otário" a ferir os meus princípios. Nunca tento me aproveitar de nada, nem levar vantagem ou conseguir regalias por qualquer motivo. Quero apenas aquilo que eu consigo pelo meu esforço. Porque tudo que vem fácil vai fácil. E quando vai, geralmente leva consigo mais do que trouxe.

Se tem uma coisa que eu me orgulho é da minha dignidade.

Mas eu concordo com suas observações: não dá para colocar todo tipo de irregularidade dentro de um mesmo balaio. Algumas devem ter punição legal e pública. Outras têm punições pessoais e conscienciosas.

Pedro paulo Rodrigues Cardoso de Melo disse...

"Esse camarada, se é que o texto é realmente de quem se atribui, joga no mesmo balaio todo o tipo de contravenção legal, independente do julgamento passar por valores, justiça, moral e lei.Nem sempre o que é legal é moral ou justo. E vice-versa. Se você não vai para a aula, estuda e passa, a quem você está prejudicando?Isso dá no mesmo de deixar alguém morrer porque não foi para o plantão? Que transferir alguém para Cabrobró das Farinhas para alocar seu correlato?"

Bom Baiano, antes de mais nada quero te agradecer por ter lido e comentado o MEU texto, como outras mil e duzentas pessoas em todo país. Quero te assegurar que o camarada a quem você se refere SOU EU MESMO. Em carne e osso.

Bem, vc pergunta se,PARA MIM, matar aulas é um ato de corrupção igual a faltar um plantão ou usar do prestígio para fazer uma mudança às custas de multas perdoadas. É, É CORRUPÇÃO SIM, quando o matador de aulas é estudante público e tem seu estudo custeado pela sociedade. (que era o caso da aluna em questão). O resultado dessa CORRUPÇÃO pode até ser outro, mas CONTINUA SENDO CORRUPÇÃO, e é, exatamente disso que trata o texto. Das NOSSAS pequenas corrupções que juntas fazem as grandes. Pena que você não entendeu ou não quis.
entender.

Finalizando: fazendeiro, empresário e industrial são trabalhadores TAMBÉM. Tem os bons e éticos e os ruins e ladrões do mesmo modo que todas as demais pessoas do mundo.

Um abraço.