quinta-feira, janeiro 26, 2006

O Homem que Tinha Ciúme de Laura e Fumava Cigarros.

Não conseguia deixar de pensar um minuto na vida, enquanto ela se esvaia naquele leito de hospital. Não temia a morte, mas sim concluir que houvesse desperdiçado o seu tempo com bobagens, com seu ciúme doentio que lhe corroera este tanto, e que o vencera aos quarenta anos, com o câncer que se espalhava nos seus pulmões. Era o resultado dos cigarros acesos uns nos outros enquanto desconfiava da mulher.
Não conseguia pensar na vida sem que a imagem de Laurinha se formasse em seus devaneios. Surgia como se no horizonte de tudo o que ele lembrava de bom. Nada para ele fazia sentido sem Laura.
As imagens que lhe vinham eram de Laura entre os lençóis da sua cama, sorrindo ou dormindo com a boca aberta, ou dela no banco do carona rindo de suas bobagens, se apresentando no teatro, linda, como a bailarina principal do grupo. Segurando sua filha no colo pela primeira vez. Ensinando, mais tarde, sua filha a brincar com uma casinha de plástico com depositários de peças coloridas em formas geométricas. Imagens de Laura no céu de Paris...
E se intercalavam suspiros e descompassos, quando ele lembrava que ficava em casa esperando Laura voltar dos ensaios, fumando um cigarro atrás do outro na varanda, com vergonha de sua filha vê-lo assim. Lembrava de como ela conversava com seus amigos com desenvoltura e simpatia, e ele, mantendo as aparências, acendia outros cigarros, enquanto queimava por dentro uma fogueira intensa de calor desmedido, que ele tinha que ignorar.
Lembrava que, então, passou a não querer mais ver os amigos, e perdeu a intimidade com a filha, de tanto que ficava na varanda, e perdeu o contato com o mundo, e já não ouvia falar, portanto, em nada que se passava com sua esposa, seu mundo, a não ser pelas palavras dela, e mergulhava na incerteza, com seu fôlego curto dos pulmões prejudicados.
Ele pede para que sua filha espere fora do quarto alguns minutos, e pergunta, pela milionésima vez, à mulher:


- Laura. Eu quero a verdade. Não lhe custa nada, não vai me prejudicar agora. Só não quero morrer sendo o bobo da história. Você alguma vez me traiu?
- Você está sendo bobo, meu amor. Eu te disse isso a vida inteira. Nunca te traí, nunca tive vontade de fazer isso. Você é mais que o bastante para mim. Eu te amo.
- E o Renato? E o Márcio? Eles cobiçavam você!
- Nem lembro do Renato direito, bobo! E Márcio era só um colega do balé, meu bem. Sempre foi.
- Me promete que vai ser feliz, então, a partir de agora? E cuida bem de nossa filha...
- Prometo, amor.


E dito isso, lágrimas escorreram pelo rosto magro, minguado pelo câncer. Àquela altura, com o rumo que sua vida tomara, no fundo queria que a mulher dissesse que sim - "traí". Queria ouvir que não se matou por uma infantilidade irrefreável, tantas vezes acusada e nunca admitida. Morto pelo ciúme fútil de uma mulher que sempre lhe amara. Queria ouvir, tão simplesmente, que sempre teve alguma razão para seu comportamento. Só queria estar certo. E esse desespero o tomara, seu coração parou, e seus olhos permaneceram abertos, olhando para Laura.
Do lado de fora do quarto, enquanto isso, a filha deles dividia os fones do iPod com "tio" Márcio, que tinha um caso com Laurinha desde que ela terminara com Renato, que ela namorou ao mesmo tempo que Hermes, dono da academia de balé onde dançava, e que a levava para passear de lancha às tardes de semana, enquanto os cônjuges de ambos trabalhavam, e nunca desconfiaram do romance entre os dois...

[]´s

6 comentários:

Múcio Góes disse...

e disse o poeta, que o ciumes é véspera do fracasso, e o fracasso provoca o desamor. Nesse caso, o fracasso foi a véspera da morte do enciumado, ao saber que estava morrendo por "nada".

Belo, Baiano!

[]´s

Leonardo Caldas disse...

nossa!! capitu levada ao extremo?? :)
adorei o texto! particularmente o último parágrafo.
ah, mulheres... dissimuladas... são todas capitus!

Mary disse...

Estas fotos aí são dos teus cigarros?! ;p


Texto perfeito!

p.s: Ah, homens não prestam, viu?! Que comentário é esse de Léo que todas as mulheres são capitus?! Nem todas, meus caros... E se vocês acham que são... Isso é uma coisa que vocês NUNCA vão saber! :P

:*

Múcio Góes disse...

sobre Capitu, nem Maxado sabia...

[]´s

Anônimo disse...

Where did you find it? Interesting read » »

Anônimo disse...

best regards, nice info »