domingo, abril 09, 2006

Num ponto eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico

Por hábito, as minhas viagens já não têm graça. Acho que para a maioria das pessoas, a idéia de estar de aeroporto em aeroporto, ficar hospedado em bons hotéis e conhecer diversas cidades é algo fascinante. Melhor ainda se for tudo pago pela empresa!

Mas existem certos sacrifícios que acabamos fazendo. Passamos datas importantes longe da família, ficamos um tempo longe dos nossos amores, perdemos fins de semana com amigos. Enfim, prós e contras como tudo.

Não que eu esteja reclamando. Deus me perdoe, porque tenho consciência de ter um privilégio muito grande por ter um ótimo emprego, com diversas possibilidades. Agradeço todos os dias pela sorte que tive e tenho. Mas a questão é que o hábito acaba tirando o brilho aparente, podem confiar. Pois bem, agora vou falar o que pretendo desde o início.

Eram cinco da manhã quando o celular me despertou. Geralmente quando viajo nesse horário não tenho o melhor dos humores, porque ninguém merece estar no aeroporto às seis da manhã. Mas dessa vez foi diferente. Acordei entusiasmado, excitado pela viagem que estava por fazer. Cheguei no aeroporto e nem a fila enorme para fazer check in me tirou o bom humor.

Como de costume encontrei várias pessoas conhecidas. Incrível como aeroporto no Brasil inteiro virou lugar comum. Até parece Iguatemi dia de sábado. Você sempre encontra algum conhecido. Conversamos um pouco sobre como seria a semana de trabalho, como foi o fim de semana e outras amenidades. Mas minha cabeça só estava em um lugar: meu destino.

E após duas horas de vôo avisto a cidade. De repente senti meu coração acelerar, uma vontade de chegar logo para andar por essa cidade. E que cidade linda! Um verde indizível laureando jardins coloridos por todas as flores possíveis, tudo muito bem cuidado com suas ruas largas e prédios belíssimos. Grandes construções que lembram formas femininas, vindas da cabeça de um arquiteto deveras obsceno. Tudo em concreto. E as ruas não têm esquinas. Não tentem imaginar, é preciso ver para entender como pode uma cidade não ter esquinas. Sim, estou falando de Brasília, capital federal do nosso país.

Pode parecer coisa de gente besta, mas fui tomado por um sentimento patriótico ao passar pelo congresso nacional, pelos ministérios e pela igreja matriz. Tudo como é na televisão, mas mais bonito porque visto de perto é algo magnífico. Fiquei feito menino na disney, olhando para todos os lados, tentando identificar cada prédio, cada construção. Até agora meu coração dispara enquanto escrevo o texto.

Não sei como descrever as ruas de Brasília. Elas são bem largas, com grandes canteiros verdes, bem limpas e conservadas. Apesar do trânsito pesado tudo é lindo. Até parece a Bahia de Caetano. Brasília é linda. O que me frustrou foi não ter sentido dor de cabeça, falta de ar e outros sintomas atribuídos aos visitantes de primeira viagem, por conta do ar rarefeito e seco. Nem calor nem frio. Durante o dia um clima gostoso tomava conta do ar.

Estou no décimo quinto andar de um hotel que fica a cinco minutos do congresso, ao lado da torre de TV, no Setor Hoteleiro Norte. Aliás, é engraçada a distribuição das coisas aqui. Tem o setor comercial, setor hoteleiro, setor de puteiros, etc. A organização às vezes incomoda, mas nada pode ser perfeito. Mas sim, do alto do hotel eu tenho uma vista privilegiada da cidade, cheia de luzes perfiladas de tal maneira que parece presépio de arquiteto. Tudo em seus devidos lugares.

Ver a estátua de JK lá no alto, a praça dos três poderes, a rampa do planalto, poxa é algo de emocionar. Não tem como não sentir orgulho de ser brasileiro por aqui. E passei pelo conjunto nacional, que pelo que entendi foi o primeiro shopping daqui. Lembre imediatamente da música ‘Anúncios de Refrigerantes’ do Renato Russo. Aliás outro motivo de felicidade é imaginar que o Renato, meu grande ídolo, foi criado aqui.

Pois bem, só queria registrar para todos que se um dia vocês tiverem oportunidade de conhecer Brasília, não percam tempo. É mais que uma cidade ou um capital: é um símbolo nacional que precisa ser conhecido.

16 comentários:

Viajante14 disse...

Brasilia é realmente uma cidade muito linda. Apesar de ser nascido lá, não moro lá desde 2001 e sempre que eu vou a passeio tenho um certo friozinho na barriga e tenho essa sensação patriotica ao ver os monumentos clássicos de lá :]

Amo essa cidade :]

PatriciaM disse...

Ainda bem (ou não!) que a má impressão fica por trás dos planaltos, escondida dos olhos dos cidadãos de boa fé!

E o dedo? Aquele q vc vai mostrar para o primeiro ladrão de colarinho daí?!Pelo visto vamos ter que nos contentar com o do Léo, por enquanto! rsrsrs...

"O que me frustrou foi não ter sentido dor de cabeça, falta de ar e outros sintomas atribuídos aos visitantes de primeira viagem, por conta do ar rarefeito e seco."

Me acabei de rir com isso... vc é uma figura, Vini!

Cheiro!

Baiano disse...

Meu velho, eu morei em Brasília boa parte da minha infância. Sei do que você está falando, até.
Mas... sentimento de orgulho e patriotismo em frente ao congresso??
Aquilo ali está mais para inspirar asco. E olha que eu sou patriota.

[]´s

Leonardo Caldas disse...

fico aqui imaginando como que será o setor de puteiros de brasília... muitas mães de deputados, talvez? [:(]

ironias à parte, deve ser uma cidadezinha deliciosa de se conhecer, velho amigo! tenho uma pessoa querida morando lá... vamos ver quando que resolvo aparecer pra fazer uma visitinha...

Vinicius disse...

Baiano,

eu concordo que o Congresso inspire asco, mas o congresso instituição. O prédio é lindo. As construções todas são lindas...

Baiano disse...

É. Fazendo o exercício da dissociação, tudo bem... :)

[]´s

Lélia Maria disse...

Brasília está no meu roteiro de férias deste ano, vou levar suas impressões na minha bagagem.

Mary disse...

Eu já fui a Brasília quando era menina e só me lembro do zoológico. :)

E acho que olhando para todos esses belos prédios eu teria um sentimento de admiração e asco ao mesmo tempo... Seria estranho.

Múcio Góes disse...

Brasilia me traz lembranças contraditórias, hoje. Estive lá pela 1ª vez em 1991. Recém-saído de um acidente grave, fui internado no melhor hospital da AL para lesados medulares. Fikei 5 meses lá dentro, e no dia que sai pra passear, choveu! Contava em nunca mis voltar, sequer os pensamentos, e hoje, lá está a mulher que eu amo. Posso até voltar...

Vlw, Vini!
[]´s

Múcio Góes disse...

Em tempo, Mary: o zoo aparece td dia na tv, deve haver 513 num setor, mais 81 no outro!

Vinicius disse...

Eu, ao contrário de você, amigo Múcio, queria voltar de qualquer jeito, pois a minha está em Salvador.

Eu realmente adorei Bsb, mas a saudade apertou bastante lá.

;)

Nanna disse...

Há muito eu não lia uma descrição tão bela da minha cidade... Suas palavras me emocionaram... Agradeço em nome dos meus conterrâneos, viu? :))
Gostaria que todas as pessoas tivessem a oportunidade de conhecê-la, realmente... É uma cidade bem organizada, limpa, arborizada, e tem o céu mais lindo, jamais visto em outro lugar... A propósito, sintam-se todos convidados... :)
Pena o seu brilho ser, constante e injustamente, ofuscado por servir como o grande palco de toda essa sujeira política... Essa é uma grande tristeza para nós, que aqui vivemos...

Enfim...
Beijinhos pra vc... :)

Nanna disse...

Múcio, volta... 0: )

Amo, muito.

*:

Anônimo disse...

Very nice site! » »

Anônimo disse...

best regards, nice info »

Anônimo disse...

Looking for information and found it at this great site... film editing schools