sábado, julho 29, 2006

A volta

E ele voltou. Olhar constrangido e sorriso ansioso no rosto. Não tocou a campainha. Parou em frente a porta, respirou fundo e usou a sua antiga chave. Olhou nostálgico para a mulher que descobriu ainda amar e ensaiou em voz alta um pedido de desculpas, seguido de uma declaração rabiscada de amor.

E ela sentou. Suas pernas não agüentaram tamanha surpresa. Na sua mente, um turbilhão de emoção. Seu olhar era de espanto, não havia nenhum traço de paixão. Respirou pausadamente e fitou o homem que tanto amou. Ouviu as desculpas, a declaração de amor e mesmo atordoada conseguiu meigamente sorrir. Não guardava mágoa ou rancor, já não tinha vívida na memória as semanas de desespero. Ela simplesmente não se importava mais.

Em respeito a tudo que viveram ela levantou, o abraçou e acalentou, e isso foi muito mais do que ele foi capaz de fazer quando a deixou. Sentiu ainda um vago aroma de canela, mas isso não a perturbou. Tomado pela emoção ele a apertou e infantilmente chorou. Ali, aninhado nela, novamente sentiu uma felicidade extasiante, tinha a ingênua impressão que tudo voltaria a ser como antes. Ela então se afastou e o observou, não precisou dizer nada, os sentimentos dela estavam estampados no rosto. Incrédulo, ele estancou seu pranto e desesperado novamente saiu pela porta. Ela continuou estática e séria, acompanhou os passos dele com o olhar até sumir de vista. Sentiu um enorme pesar por ele, mas assim era a vida real e ela não mais o amava, finalmente estava liberta.

4 comentários:

A czarina das quinquilharias disse...

daí ela pegou um chiclete, soprou uma bola e disse: " toma essa, garanhão."
hehe.
boa continuação!!!!! bjo

Melina disse...

*depois de ver o comentário anterior*
Um mentos de canela também tá valendo...

Bem feito! Hahaha

Muito bonito, dona Crica B. Bem prosopoético!

@ninh@ disse...

ainda me pergunto? Trata-se de um conto ou um retrato da vida real? A vida real recheada por seus desencontros ficou lindamente retratada,com arrojo, com estilo e com uma boa pitada agridoce! Essa é a voce... De certa forma essa é cada uma de nós! Beijos. Parabéns!!

Mary disse...

Liberta e para um novo começo... Um novo ciclo... :)

Muito bom!

;**