quarta-feira, novembro 22, 2006

sobre qualquer coisa

Se te perguntarem onde estou, diga que me afundei no meu reino de quinquilharias. Diga que eu fiz harakiri mental. Outro dia, eu tava tentando ver além das coisas. É eu sei. Eu tava meio bêbada. Eu tinha tomado muito sol. Pensando bem, o que podia ter por trás das coisas? Não coisas? Dá pra ver não coisas? E como se faz pra tirar as coisas-coisas da frente?

Mas eu tentei. Muito sol na cabeça. Muito sol em tudo. Arde. E devia parecer muito engraçado pra todo mundo. A mocinha de olhos semicerrados e quase vesga. Ou envesgando, desenvesgando, envesgando. Mas eu acho que eu vi. Tipo linhazinhas brancas. Tipo teias de aranha, mas as coisas ainda estavam lá. Tipo tracinhos de luz. Tipo um pouquinho de tontura, que é de ficar envesgando, desenvesgando. Talvez não haja nada atrás das coisas, só entre.

E daí eu senti uma cosquinha no lado direito do cérebro. Estou torcendo, estou torcendo tanto pra ser alguma coisa que, enfim, acordou.

2 comentários:

meu paredro disse...

Se o lance é nascer da cama e encontrar o sol, toda manhã, pensa só:

E se de repente nascem gêmeos uma hora ou outra ?

Múcio Góes disse...

as coisas sempre insistem em se mostrar o que nao sao, qd sao outras.

[]´s