domingo, outubro 23, 2005

Deus é brasileiro

Ela tem 1.75m. Só de pernas, 1.20m. É quase uma ema, se não fosse uma mulher. Bem, ela não é exatamente uma mulher. Porque toda mulher é igual. Só que ela tem 1.20 de pernas. No dia em que ela foi pensada por Deus, houve greve de anjos. Alguns acharam que Ele estava se perdendo no pecado da carne. E ele passou anos e anos apenas idealizando ela. E olha que se Deus fez o universo em 1 semana e saiu isso tudo, imagina uma mulher pensada por anos e anos?

Tão divina que Deus pensou em mudar algumas regras acerca do pecado do sexo. Ele que não é bobo nem nada, queria saber como era esse tal de sexo, porque ela era perfeita. Só que houve uma CPMI no céu e a constituição celeste não pôde ser alterada. Ela era tão gostosa que Jesus se encheu de espinhas e calos nas mãos. E assim explicamos seu sumiço na adolescência: estava trancado em um banheiro do paraíso...

E ela foi criada nos mínimos detalhes. Cabelos loiros como ouro. “Não, melhor ter cabelos negros como a noite, depois vão chamar minha obra-prima de burra e eu vou lançar uma maldição nesses homens de merda”, pensou Deus. E olhos azuis, de uma profundidade inimaginável. Um azul que nem Leonardo Da Vinci conseguiu recriar em suas pinturas. E ela tinha uma pele. Ah, que pele! Ninguém sabe ao certo que tom de pele era aquele. Mas era algo que dava vontade de lamber, porque parecia comida.

E seu nariz tinha uma consonância tão grande com sua testa e seus olhos, que pareciam não existir, tamanha simetria. E o que dizer dos lábios? Carnudos na medida certa. Boca nem grande nem pequena. Era apenas uma boca com lábios perfeitos. Com dentes. Exatos 32. De uma brancura que nem a nuvem mais limpa poderia imitar. Eram dentes que refletiam a imagem dos outros, porque eram brancos demais.

Ela tinha seios. Fartos, lindos, perfeitos e apontando para a bunda celeste. Porque peito que preste olha pra cima. E Deus não iria perder a chance de olhá-los em posição privilegiada. E o que dizer daqueles braços e daquelas mãos? Eram mãos de fada, macias. Nunca varreu uma casa nem lavou um prato. E suas unhas eram bonitas naturalmente. Esmaltadas de fábrica. E aquilo não era barriga, nem umbigo. Ainda não existem adjetivos para definir aquela barriga e aquele umbigo. Ela era gostosa “pracaralho”. Só essa expressão define aquilo.

A melhor parte, vamos falar das pernas dela. Um metro e vinte de pernas. Perna pra dar com pau. Perna pra dar, vender e alugar. Coxas grossas, duras, lindas, torneadas. Joelhos perfeitos. É, porque mulher bonita não pode ter joelho de Paraíba. Pra ser perfeita, até os joelhos precisam ser lindos. Duas rótulas que se encaixavam perfeitas, unindo aquelas coxas deliciosas naquelas canelas perfeitas. Perna de sabiá? Meu ovo esquerdo! Ela tinha canelas lindas, com panturrilhas igualmente grossas, mantendo a proporção com o resto. Quer dizer, resto eram as outras, ela era a massa do bolo, não a colher lambida.

“Com aqueles pés, o vinho ficaria mais gostoso”. E tacou-lhe pés lindos. Nem grandes nem pequenos. Eram pés lindos, onde faltavam ossos e sobrava beleza. Ela tinha o calcanhar mais bonito que alguém imaginou. Já pensou uma mulher linda e perfeita com calcanhares feios? “Eu me livre”, pensou a Onisciência.

Mas tanta beleza precisava de recheio. E Deus lhe deu um cérebro privilegiado. Tão inteligente que era capaz de acabar com a fome, promover a paz mundial e o mais difícil: acabar com a roubalheira numa tal capital federal de um certo país localizado ao Sul do equador. Mas Deus não estava satisfeito. E deu-lhe senso de humor. Ela era capaz de fazer piada de tudo. Ela é dessas mulheres que se senta à mesa de bar e fala bobagem, bebe, come besteira. E ainda continua linda, sensual e feminina. Praticamente um cara. Um brother, um mano. Mas tinha “aquilo” que não temos. Perfeita!

E Deus, com sua paciência celestial, deu-se a coçar sua enorme barba e seu saco pentecostal e passou a pensar e pensar. E pensou muito.

“Com uma mulher dessas aqui no céu eu vou foder a vida do diabo. Ele com aquela Jezebel horrorosa e eu com essa gostosa do caralho por aqui. Ele que fique com os advogados dele lá no quinto dos infernos.”

E Deus passou a sacanear o diabo, gabando-se com sua polaca. Comprou uma Ferrari e ficou passeando, com a barba ao vento e aquele monumento do lado.

A mulher perfeita, essa nunca conhecemos.

E o diabo de raiva, passou a sacanear a gente desde então.

6 comentários:

Bruna disse...

Poxa esse seu texto tem tudo a ver comigo... me vi nessa mulher... a única diferença é q tenho olhos castanhos! rssss, seu texto tá massa!

amanda disse...

hahaha
muito fodante!
;D
soh.
>)

Mary disse...

Ótimo texto, Vini!

:P

Beijos

Leonardo Caldas disse...

velho doly... você e teu erótico instigante baum de ler! :)
taí... sabe-se lá pq, deu vontade de me fazer católico-cristão, pra fazer valer meu lugar no paraíso... quem sabe assim veria passar sua onisciência e sra. na tal da ferrari?

Múcio Góes disse...

Essa mulher, uma ferrari, e eu! E Deus podia dormir pra sempre!

Grande, Vini!

[]´s

Anônimo disse...

Very nice site! » »