segunda-feira, abril 03, 2006

I'll survive (a do Cake, e não de Gloria Gaynor)

Uma noite perfeita já começa quando ainda nem é noite. O dia passa todo ele lento... lento com o sem-número de pendências tropeçadas umas nas outras. Mas é sexta-feira... e já foi falado por aqui mesmo sobre as sextas-feiras... as da Bahia em particular. É no final da tarde/início da noite que as coisas começam a tomar forma. O pensamento da cervejinha bem gelada já começa a fazer salivar... Bem como a vontade de estar perto das pessoas queridas, que nos faz meio que maldizer as leis que regem a passagem do tempo...

Mas eis que é chegada a hora. Uma banana bem dada pra tudo que lembre trabalho, uma passada rápida em casa pra um banho meio enrolado, e a noite daqui em diante se resume a boteco e amigos num canto qualquer (como, aliás, deveriam ser todas as noites que fossem dignas do nome). Os "amigos" em questão, os digitais (alguns dos quais nunca vistos, mas queridos desde sempre). O "canto qualquer", de qualquer não tem nada... o Pelourinho, suas escadas, casas coloridas e geminadas e ruas de pedras calçadas, O "boteco", escolhido a dedo pelo mais boêmio dentre os digitais de Salvador, um lugar aconchegante e de atmosfera agradabilíssima, em que a única coisa que falta pra lembrar uma casinha de campo de verdade é o cheiro de mato vindo de fora. Bom... na verdade isso e o fato de eu não me imaginar aplaudindo alguém tocando violão na sala de minha casa lá no interior... De resto, é Casa da Roça!

A noite transcorre lenta e gostosa... Fala-se de tudo... ri-se de tudo... E quem disser que tem coisa mais divertida que o calor da proximidade de amigos é um bom mentiroso. O papo rende, bons contadores de histórias que somos... alguns de nós, é bom que se diga, mais férteis que outros. Mesa de bar, mais que divâ de analista, instiga confissões... Não poderia ser diferente entre os digitais. Numa dessas, descobrimos Gomes, o Forrest Gomes, Contador de Histórias. E vamos lá nós termos inveja de um Gump qualquer quando temos à disposição - e ao alcance do copo sempre cheio - o nosso Gomes? E é entre os flashs sempre presentes de Patita e seus dedos rápidos, o sorriso tímido de Lélia e as declarações bombásticas do único não-digital da mesa que se conversa de tudo que não se deve discutir numa roda de amigos: política, futebol e sexo (os alicerces que mantém a humanidade de pé - a política nem tanto, creio...).

O caso é que depois de muito sexo e futebol, a cachorrinha argentina da casa nos faz notar o avançado da hora. Nosso contador de histórias ainda tenta com ela um diálogo rápido (com uma fluência no domínio da língua do Menen que me espantou!), e resolvemos que a noite dos boêmios foi feita realmente pra boemia... As meninas ainda fazem uma rápida refilmagem do Pagador de Promessas nas belas escadarias da Igreja (sob o olhar entre curioso e sonolento de um dos mendigos locais, que eu não imagino fosse exatamente familiar com o clássica história) e dali, a conselho do Baiano - cuja alcunha, vale dizer, não poderia ser mais acertada - fomos a um barzinho qualquer da orla da cidade. Mais doses generosíssimas de sexo e futebol. O não-digital, na condição de não-digital, já a ponto de cochilar, e eis que resolvemos meio a contragosto dar por terminada a farra etílico-literária.

Pelo bem do que é justo porém, devo dizer que infelizmente a noite não foi perfeita... Uma ida à Casa da Roça sem a performática presença de palco do velho Gomes não faz jus às potencialidades do lugar... e desta vez nosso amigo não nos brindou com sua bela interpretação de "I'll survive" (mais ao estilo Cake que ao de Gloria Gaynor, é sempre bom lembrar).

6 comentários:

Lélia Maria disse...

foi uma noite realmente agradável. ainda bem que os dedos ligeiros de paty estavam lá pra registrar tudinho.

Vinicius disse...

Pois é gente. Dessa vez não teve performance de I'll survive (com direito a Leo dançando gazelarmente...). Mas assim é melhor, porque nos obrigará a voltar para ver a performance do Gomes aqui, meio Cake meio Gaynor...

Mas foi muito bom rever Patita e Leo e conhecer Lélia e sua doçura. E ainda de quebra levei um colega de trabalho e amigo pessoal para conhecer a Casa da Roça.

Ora pois pois, que venha o próximo encontro.

P.S.: me desculpem pela ausência do post ontem. É essa história de viajar acaba atrapalhando um pouco. Agora sigo em nossa linda capital federal, esperando o primeiro encontro com algum político, para dar-lhe o dedo e não perder o hábito da crítica.

PatriciaM disse...

Belo texto... belo nosso encontro!

Adorei o "(com direito a Leo dançando gazelarmente...)" do Vini... rsrsrs...

Cheiros!

Mary disse...

Só faltou eu... :(

hehehe

Adoro vocês! ;)

Leonardo Caldas disse...

eu realmente gostaria de saber de onde diabos é que surgiu este boato COMPLETAMENTE INFUNDADO de "leo dançando gazelarmente"! ;)

Anônimo disse...

Looking for information and found it at this great site... international online pharmacy Geigerwide body corvette kit Satellite picture 2328 orlando drive san jose ca Oklahoma oxycontin lawyer order allegra online La weight loss cancellation policy Aspirin therapy adding celebrex basketball sneaker http://www.venlafaxine-hcl-xr.info/venlafaxine_and_pregnancy.html News stories mediterranean cruises Business credit card comparison Transplanting mature grape vines Cellulite lemon juice rx-now - ultracet Xenical 2border Machine roulette slot X3 bmw car covers kakadu australian oilskin jackets