quarta-feira, agosto 03, 2005

Fantasia de papel

A charanga ainda ecoa sobre o batuque secular do samba se espremendo entre marchas-rancho... Chá-chá-chás e boleros para chegar à massa... Mas a celebração da alta noite aos poucos vai cedendo ao cansaço físico e a festa vai esmorecendo.

Estamos entrando na quarta e última fase de qualquer boa noite de carnaval...Aquela enunciada pelas emblemáticas Bandeira Branca e Máscara Negra.

O fim do baile... O nascer do dia... As pessoas acordando ainda meio bêbadas... Entre fantasias rasgadas... Garrafas derrubadas pelo chão... Confete e serpentina desbotados pela mistura indecifrável de líquidos espalhados pelo chão.

Vários solitários que atravessaram a noite inteira entre flertes e sorrisos e acabaram sem par como vieram... Mas agora eles estão amarrotados... Suados... Usados... Borrados... O final de um baile de carnaval sempre vem mostrar para cada um de nós quem realmente somos... A fantasia cai tão pesada quanto a triste realidade.



Pintava-se de palhaço para fazer os outros rirem... Enquanto... Por dentro... Estava a chorar.

7 comentários:

PatitaM disse...

"O final de um baile de carnaval sempre vem mostrar para cada um de nós quem realmente somos... A fantasia cai tão pesada quanto a triste realidade."

Ao cair das máscaras, revelam-se as faces marcadas pelos dias sem confetes. Mas o bom do Carnaval é a ilusão de que estamos todos a compartilhar da mesma festa, da mesma alegria...


Sorria, menino palhaço, pois mesmo triste consegues mostrar tua graça!

Mary disse...

Fofo o comentário da Patita!
Vocês são demais! ;)

Lindo texto, Dé!
Intenso... Profundo...
Não só no carnaval usamos uma máscara, às vezes, se faz necessário usá-la no nosso cotidiano... e é triste percebermos como somos quando a máscara cai... =~

Coisa boba! =P
:**

Ercília disse...

Que responsa escrever no lugar do Múcio, hem André? Mas ainda bem que você dá conta direitinho do recado. Eu não ousaria.

Curto demais o teu jeito de escrever e essa referência à imagem lúdica do palhaço, do circo, da magia.

Mesmo triste consegues ser brilhante, como o palhaço que precisa se fazer alegre no picadeiro. Mesmo quando por trás da máscara são as lágrimas que cobrem sua face, em vez do tão gostoso sorriso nos lábios. Porque aqueles que lá estão precisam enxugar suas lágrimas por trás de suas máscaras invisíveis.

Beijos, menino-palhaço.

Múcio Góes disse...

Esse cara nunca me enganou! Quarta-feira lembra carnaval...

domingo...
mele mela folia

quarta-feira...
mera melancolia

Vlws, Andre! []'s

André disse...

Não só responsa... É uma honra poder escrever no lugar do Múcio! =) Brigado, Cabra! =P

Anônimo disse...

Enjoyed a lot! Helms bakery truck chevrolet Jazz digital camera

Anônimo disse...

Keep up the good work »