terça-feira, outubro 03, 2006

Nova era

Eu sou meio desconfiado da verdade que circula no mundo. Eu sempre acreditei que tudo, no fim das contas, é uma grande teoria da conspiração. Isso pode ser fruto da minha mania de perseguição, ou é na verdade como nossas vidas são conduzidas.

Nosso país sempre foi comandado por coronéis. Alguns estão travestidos de banqueiros, outros são latifundiários. No fim das contas quem sempre ganha as eleições são eles: os donos do poder. Ainda mais num país de ignorantes, não por opção, mas pela maneira como as coisas são conduzidas. O direito ao voto, que na verdade é uma obrigação, coisa que não vem ao caso, serve para que nós mudemos o rumo do nosso país. Só que ignorantes escolhem governantes baseados na ignorância.

Não é surpresa para nenhum de nós, após o pleito, sermos surpreendidos por candidatos do quilate de Clodovil, Frank Aguiar e outros sem o menor preparo. Muito pior é saber que gente como Collor e Paulo Maluf, este último não merece comentários e foi eleito com o maior número de votos como Deputado, continuam sendo eleitos e mamando nas tetas públicas. Vergonha!

Mas na verdade, a grande surpresa, foi a queda, do maior entre todos os grandes, coronel da política brasileira. E antes de falar dele, quero registrar minha total descrença nas pesquisas de intenção de votos. Eu não tenho dúvida que os números são manipulados para influenciar na decisão dos ignorantes, os ignorantes sem opção, porque a ignorância não é privilégio dos sem oportunidade, mas um fenômeno que insiste em conviver entre nós.

Voltando à queda do maior deles, na Bahia os números indicavam que o candidato do PFL, o atual governador daquele estado, estaria reeleito já no primeiro turno, com larga vantagem. O candidato do PT, coitado, figurava em segundo lugar com menos de 30% das intenções de voto. Eu, já acostumado com a vitória constante do PFL, não nutria qualquer esperança de mudança no cenário político baiano.

Mas desta vez, alguma coisa aconteceu: com uma virada de mesa surpreendente, o candidato do PT ganhou em primeiro turno com 53% dos votos válidos, o que prova minha teoria da manipulação dos números ou a incapacidade total de fazer uma pesquisa estatística, coisa que não acredito.

A derrota do coronel foi muito maior do que ele poderia imaginar: primeiro, em 2004, perdeu a prefeitura da capital. Hoje ele perdeu o senado e o governo do estado. Em minha boca o gosto de vitória está misturado com o gosto do medo, porque não sabemos ao certo o que acontecerá. A capacidade deste homem em prejudicar a população não tem tamanho: no início dos anos 90 ele perdeu a prefeitura para uma candidata da oposição e simplesmente destruiu a cidade: não liberava verbas para nenhuma ação da prefeitura, boicotava todas as iniciativas de melhora da cidade e, por incrível que pareça, jogava lixo nas ruas, após a limpeza pública. E isto não é história: eu presenciei carros utilitários jogando sacos de lixo abertos e fechados em vários pontos da cidade, para provar a ineficiência daquela governante.

Hoje eu sei que é mais complicado impedir a liberação de verbas da União, pois ela é liberada direto para os estados e municípios. E o melhor: os senadores eleitos para a Bahia estão do mesmo lado do governo e prefeitura, o que facilitará a gestão financeira e garantirá maior governabilidade.

A contrapartida é saber que o coronel é dono do principal veículo de comunicação do estado. Ele comanda rede globo local, através da subsidiária baiana Rede Bahia. E sei que não medirá esforços para criar notícias que confundam o povo. E sei, da mesma forma, que ele ainda detém muita força política para prejudicar de várias formas o povo baiano, o que me deixa ao mesmo tempo feliz com sua derrota e preocupado com o futuro.

Mas no final das contas, o baiano provou que não acredita mais naquele homem e sabe que as coisas não estão boas por lá. Mudou a cara da Bahia, ganhou oportunidade real de melhoria e hoje, sabendo que toda mudança tem 50% de chance de dar certo, esperará mais uma vez que a esperança vença o medo.

É meus amigos, uma nova era se inicia na Bahia. Eu gostaria de dizer no final deste texto que em todos os estados da União teríamos mudanças radicais para melhor. Mas enquanto elegermos Fernando Collor, Paulo Maluf, Frank Aguiar, Clodovil e tantos outros, estaremos fadados a continuar na mesmice. Porque sabemos reclamar, mas ainda não aprendemos com nossos erros a corrigir os problemas que nós mesmos criamos.

Um comentário:

Mary disse...

Putz! Collor e Maluf sem comentários! Fico abismada como essas coisas podem acontecer! E Collor apoiando Lula ainda mais! Todo esse cenário político é uma vergonha, e espero mesmo que um dia tudo e todos mudem...

E não posso negar que ver o ACM derrotado deu um gostinho bom nos resultados dessas eleições... Que venham as mudanças! :)

Bjos.